19/03/2023 às 17:58

DIA DO PAI: Amo-te daqui até à lua

128
3min de leitura

Uma breve história do Dia do Pai

A comemoração do Dia do Pai (dia dos pais, no Brasil) tem a sua origem nos Estados Unidos da América. Por trás da criação deste dia de celebração da paternidade esteve uma mulher chamada Sonora Smart Dodd. O seu pai era um viúvo e tinha-a criado a ela e mais 5 irmãos após a morte da mãe. Desejando honrar o seu pai, Sonora conseguiu o apoio de igrejas, associações, comerciantes e governantes para apresentar a proposta de criação de um dia equivalente ao Dia da Mãe, mas para os pais.

A ideia de Sonora foi bem-sucedida e em 1910 houve a primeira comemoração deste dia, que cresceu lentamente na nação americana até ser oficializado em 1972.

Enquanto os norte-americanos celebram o Dia do Pai no terceiro domingo de junho, Portugal e muitos outros países celebram-no a 19 de março, por ser o dia que o calendário da Igreja Católica Romana atribui a São José, o pai adotivo do Senhor Jesus Cristo. (1)

Um amor que vai daqui até à lua

Amar “daqui até à lua” não é uma expressão que se ouve com tanta regularidade no dia a dia, mas faz sentido usá-la quando pensamos sobre o que é ser pai. As distâncias que estamos dispostos a cobrir por amor aos nossos filhos vão bem além dos 384.403 quilómetros que separam a terra da lua. E sabemos que eles também fariam grandes viagens só para ir ter com o pai.

Mas, muitas vezes, não é preciso cobrir grandes distâncias. Basta estarmos perto para conseguirmos sentir e fazer sentir o amor que liga um pai ao seu filho. As boas memórias que marcam são construídas quando estamos presentes, e em tempos tão tecnológicos e acelerados, convém lembrar que estar presente significa estar “totalmente” presente.

Infelizmente é fácil estarmos com o corpo presente, mas a cabeça na lua (lá vem a lua à baila outra vez), muitas vezes com a cara enfiada no telemóvel. Empurramos o filho no baloiço com uma mão, enquanto a outra consulta as redes sociais, ou o email, ou o desporto, ou as notícias.

Que este Dia do Pai seja um dia para parar e pensar. Se amamos os nossos filhos e estamos dispostos a cobrir as distâncias necessárias para o bem deles, então também faz sentido dar-lhes a nossa real presença aqui pertinho deles. Dar-lhes a nossa total atenção quando brincamos, quando ouvimos as suas histórias, quando eles nos dizem que nos amam daqui até à lua.

Guardar boas memórias

Estas memórias que se criam, neste estar perto e dar total atenção, são doces e ficam mais facilmente gravadas na memória dos adultos. Na criança fica, muitas vezes, apenas o sentimento e aquele conforto de sentir que o pai esteve presente. E é aqui que entra a fotografia porque esta capta a emoção e o momento. As sessões fotográficas do dia dos pais, são esta oportunidade de imprimir aquilo que está no coração, de captar um momento que pode ser esquecido na correria da vida diária. Mas, quando este momento fica guardado e, anos mais tarde, os filhos podem rever as fotografias, acontece uma viagem tão longa quanto uma ida à lua: uma viagem ao centro das nossas emoções e das nossas memórias que são aquilo que nos constrói. É um momento de total atenção aos nossos filhos que fica guardado e visível, torna-se palpável e deixa de ser uma memória fosca e ténue lá longe, e é algo real e presente. Guardar estes momentos é fazer a memória se perpetuar e relembrar que é um amor que, na verdade, vai além da lua.

(1) https://www.history.com/topics/holidays/fathers-day


19 Mar 2023

DIA DO PAI: Amo-te daqui até à lua

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL